segunda-feira, 20 de junho de 2011

O terror da escola!

São as provas. Certo?
Pois então que a Natinha está no terceiro ano. Gente é um taaaaaanto de matéria que eu mesma levo um susto. Pessoalmente acho tudo misturado demais. Nem bem dá tempo deles fixarem uma matéria e pá, mais e mais assuntos novos.

Sem contar que é português em um dia, matemática no outro e logo a seguir ela aprende sobre zona rural e zona urbana. Sendo todos assuntos completamente novos.

Mas eu não entendo nadica de nada disso, minha formação é jurídica, passei longe do magistério e da área da educação porque não tenho o menor dom pra isso e na minha opinião, para trabalhar com crianças, precisa mais que vocação ou aptidão, precisa dom.

Não, não estou aqui para criticar o método de ensino da escola, sei que a escola é muito boa e eles sabem o que estão fazendo. É que o bicho tá pegando mesmo aqui em casa, Natinha está se saindo bem nas avaliações, tem direto A em todas elas. Faz os deveres de casa que precisa fazer. Mas reclamando sabe. Eu preciso ficar mandando, mandando e mandando, faz tudo correndo como se o mundo fosse acabar em dez minutos e ela não pudesse perder tempo com aquilo.

Na próxima quarta ela tem avaliação de matemática, adição, subtração, prova real, histórias matemáticas, antecessor e sucessor e tabuada até o 7! Isso mesmo, até o sete. Ela não quer estudar. Enrola, enrola, chora, reclama de dor de cabeça. Eu percebo que ela está lá, mas não está focada, sabe.

Esse final de semana foi o caos, fiz vários exercícios para ela, e ela pediu por favor pra ir brincar na casa de um amigo sábado. Deixei. Quando chegou em casa pediu por favor pro amigo dormir lá em casa, errei ao deixar. O combinado era então que domingo o Ian ia para casa dele antes do almoço e ela iria encarar os estudos sem reclamação. O Ian foi embora, ela almoçou, descansou um pouco e na hora de estudar teve todas as dores possíveis, chorou, enrolou. Me estressei e acabei dando um gritos desnecessários. Me acalmaei, eu e marido tivemos uma boa conversa com ela, explicamos, explicamos, explicamos. Aí recebemos visita e lá se foram os estudos dela de novo.

Na nossa conversa, ela não argumentou nada, ela só chora e faz uma cara de "o mundo é um lugar muito horrível de se viver". A Natália é uma criança cheia dos argumentos sempre, opinativa, e sempre tem uma solução pra tentar nos convencer a fazer o que ela quer. Dessa vez nada. Só choro, choro e mais choro somados aos intermináveis "eu não consigo" e "é chato".

Sei que chegamos numa fase de mais pressão escolar e pela primeira vez ela está precisando se privar das coisas em função da escola. Até hoje ela podia fazer todos os programas porque as tarefas da escola eram feitas durante a semana e só. Agora ela não dá conta. Já tirei ela das aulas de violão e agora ela ficou só com o jazz em duas horas por semana e o inglês que para mim é essencial, em uma hora por semana. Mas mesmo assim é necessário estudar nos finais de semana, o que, sinceramente, raramente tem acontecido, porque ela vai lá rapidinho e diz que terminou.

Não sei onde estou errando, tento incentivá-la, converso, explico. Marido acha que eu estou exagerando um pouco, e talvez esteja mesmo, já que ela está bem nas notas até agora. Mas ela tem prova na quarta-feira agora, hoje tem aula o dia inteiro, teremos amanhã a tarde apenas para estudar, e a tabuada, que ela aprendeu até a do 5 no ano passado e na última semana aprendeu a do 6 e do 7, ela não sabe nada.

Fico pensando na melhor solução e acho que deveria deixar ela ir sem estudar para a prova, não mandar mais, ela vai tirar uma nota ruim e aí vai ver que se não estudar não vai bem. Mas também não estou convicta de seja o melhor jeito.

E isso é só o começo né gente, quando penso em tudo que vem pela frente chega a me dar calafrios!

Diminuí o ritmo de trabalho justamente para cuidar melhor das meninas, fazer as atividades, estar mais presente, orientar melhor. E cadê que eu sei o que fazer agora?

Simples assim, não sei como fazer ela se interessar e parar de querer só pensar em Justin Bieber, ICarly, Sonha Comigo, Luan Santana, roupas, moda, da fulana que falou não sei o que pra ciclana e não vai ser convidada pra festa dela e todas essas outras coisas que ela se interessa. Hoje ao meio dia em mais uma interminável discussão ameacei martelar as 3 televisões da casa.

E vocês como fazem? É só aqui em casa que a coisa está desse jeito?

5 comentários:

Luiza disse...

Andrea, vamos dar as mãos e chorar no cantinho??? Aqui a situação está bem parecida, salvo diferenças como a fixação no Justin Bieber, I Carly e moda... ;0)
O Rodrigo tem a semana de testes e depois a semana de provas trimestrais. Acho que é puxado porque só eu estudo com ele - com o pai sempre dá briga - e fiscalizo os temas. Mas é uma luta diária convencê-lo de que não pode jogar videogame todo o dia e ver desenho enquanto não fizer os temas, e de que não é suficiente estudar só no dia anterior às provas.
Mas na escola já teve até ameaça motim das mães contra a quantidade de temas e quanto à exigência das matérias: tabuada até o 7, ditongos, tritongos, hiatos, probleminhas matemáticos. Não aderi ao protesto porque acho que existem escolas bem mais exigentes do que a dele, mas tem horas que cansa!
Haja imaginação para criar atividades e ajudá-lo a estudar para as provas...

Mari..... disse...

oi, Andrea! aqui em casa o tempo q eu tinha pra fazer a lição com ele era só a noite, aí resolvi pagar uma explicadora. eu confesso q tinha preconceito com explicaora, mas acabei cedendo. e olha, não me arrependi. às vezes a gente não precisa ser tudo ao mesmo tempo pra ser boa mãe. cabe dar um espaço pra alguém ajudar. eu continuo de olho, reviso os caernos, tomo conta se a letra tá um garrancho, às vezes opto por eu mesma fazer um determinado trabalho com ele. mas no fim das contas sinto que ele melhorou de produção. bom esse foi o caminho q eu encontrei e espero q vc encontre o seu. Bjos lindona!!

Anônimo disse...

Carla Franke..disse..
Andrea! o Maninho tem 13 anos e temos os mesmos problemas vivenciados por vc com a Natália.Não é nada fácil mesmo..exige dedicação, conversa, explicação e, ainda assim, os resultados nem sempre vem..É um conjunto de coisas que pipocam nesse mundo louco, que não é fácil nadar contra a maré..Eu penso que o diálogo é sempre a melhor solução, fazer deles um ser pensante..Mas de fácil amiga, haa, só se for nas fotos de propaganda de margarina.Bjos..Boa Sorte aí!

Leti AZ disse...

Sim é a mesma ladainha aqui, porém eu acompanho, mas nem sempre dá tempo, e tb mandava estudar e ela me enrolava e ficava 15 min e dizia que já sabia ... então eu deixei por conta dela, pensei: se ela se der mal vai estudar, e o resultado foi ótimo, só tira A a peste!!!! hahaha, como eu sempre ficava em recuperação, melhor que eu ela saiu ... e a profe dela foi só elogios, então deixei, matemática qm explica é minha mãe, do resto divido com o marido e pronto, assim vamos levando. Ela é meu orgulho, as vezes penso: de onde saiu assim tão inteligente? hehehe ... cada fase é uma novela ... mas faz parte.

Andrea Nunes disse...

Gurias, sabe que acabei adotando a técnica de deixar por conta dela. Na terça eu falei uma vez só que ela tinha que estudar, ela disse o habitual "já vou", avisei que não ia falar mais, que ela tinha oito anos e sabia das responsabilidades dela.
Passou uns 20 minutos até ela ir estudar, eu estava numa agonia só, louca pra já dar uns berros, mas deixei. Ela estudou, me pediu pra fazer exercícios pra ela e não ligou a televisão o resto do dia.
Acho que deixar claro que a responsabilidade é dela e não minha é um bom caminho.

Obrigada viu!