sábado, 2 de julho de 2011

A hora H II, ou como falar de sexo com os filhos

então que o assunto começou como eu contei AQUI, depois disso ela não tocou mais no assunto e nós por aqui acreditamos que respeitar o tempo dela e as necessidades dela são sempre o melhor caminho. Eu já sabia que algumas de suas colegas já tinham tido essa conversa com as mães/pais e como o assunto bebê faz parte do nosso dia a dia já tem mais de um ano, logo, logo o assunto viria novamente

- a história da cegonha é completamente mentira né mãe?
- sim filha, é mentira, é um jeito que as pessoas inventaram de explicar para as crianças de onde vem os bebês
- por que a bisa me mentiu?
- porque tu era pequeninha, ficava pedindo um irmão e ela não fez por mal, na verdade ela deveria ter te dito para pedir para mim e para o pai, nós dois que decidimos sobre ter um bebê ou não
- sexo, é feminino e masculino né mãe?
- sim filha, se vamos preencher uma ficha, um cadastro e está escrito lá sexo, temos que colocar feminino ou masculino.
- e isso não tem nada a ver como o jeito que os bebês nascem?
- então, lembra daquele livrinho que o pai comprou pra ti e da coleção aquela que a tia Fabi nos emprestou, vamos lá deixar a maninha com o pai e vamos ler juntas e conversar, tu quer?

Lemos os livros juntas e a medida que as coisas iam se apresentando ela fazia perguntas, questionava tudo, dizia que não tinha entendido, tentava adivinhar o que viria a seguir, teve ótimas tiradas, quando lemos sobre óvulos e espermatozóides e o que vinha de quem, ela me saiu com: mas o pai vomitou na tua boca pra colocar o espermatozóide dele lá?

Ela acabou questionando muito sobre o porque das pessoas mentirem, e um dos livrinhos da coleção Sexo e Sexualidade da autora Cida Lopes fala justamente sobre a dificuldade dos pais em falarem sobre isso, mas deixei bem claro que eu não tinha problemas em falar com ela sobre isso, que sempre, tudo que ela me perguntar eu vou responder a verdade pra ela.

Uma das perguntas dela foi sobre as pessoas só fazerem sexo quando querem ter bebês, eu disse que não, que as pessoas fazem sexo porque é bom, porque é carinho, porque elas se gostam. Que antigamente as pessoas só podiam fazer sexo depois do casamento, mas que hoje não era assim, mas que tudo tinha o momento certo, que crianças e adolescentes não devem fazer, que vai ser muito melhor se for com duas pessoas que se amam. Ela entendeu bem a questão, relacionou com o beijar, me perguntou se eu não teria nojo de beijar na boca um homem que não fosse o pai dela.

Questionou se pessoas que não se amam fazem sexo, eu respondi que sim, que aí não era tão legal. Aproveitei para falar um pouco sobre pedofilia (que ela já tinha me perguntado o que era e eu respondi, na época, que eram adultos que queriam namorar com crianças), da importância da gente preservar o corpo da gente, de que sim, existem pessoas doentes que querem obrigar os outros a fazer sexo e as vezes até crianças, que por isso sempre digo para ela não deixar ninguém ir ao banheiro com ela e tal, que ela não precisa de ajuda, que já é grande e pode fazer isso sozinha. Falei sobre menstruação, das alterações que o corpo dela vai passar, que isso tudo era normal e acontecia com todas as meninas.

Ela questionou sobre ser mãe solteira e porque então as pessoas faziam isso se sabiam que iam ficar grávidas. Expliquei de novo sobre sexo ser uma coisa boa, mas que envolve responsabilidade, que existem maneiras de se evitar ficar grávida e que algumas pessoas esqueciam disso, que achavam que não iriam ficar grávidas, mas que não tem como saber exatamente o dia que o óvulo vai estar pronto para receber o expermatozóide.

Aí ela me sai com:

- mããããe, então é isso que os guris do 4º ano estavam falando esses dias, aqueles idiotas!
- o que eles falaram filha?
- que os guris iam enfiar o coisinha deles nos coisinhas das gurias
- mas porque eles falaram isso? onde vocês estavam?
- no recreio mãe, não lembro porque eles falaram, mas eles falaram e perguntei pra fulana o que era isso que eles estavam falando, e ela respondeu que era assim mesmo, que os guris faziam essas coisas
- mas filha por que tu não falou comigo sobre isso então?
- ai mãe, eu achei que era mentira né!

Então que quase que eu chego atrasada e ela teria aprendido mais detalhes sobre relação sexual com crianças que eu nem sei o que aprenderam e como aprenderam, muito melhor que seja eu a explicar né?

Foi uma conversa tranquila e não fiquei nem um pouco nervosa, como quando ela entrou no assunto a primeira vez, agora eu estava preparada.

3 comentários:

Camila Gomes disse...

Amigas Blogueiras,
Venho por meio deste pedir a singela ajuda de vocês!
Bom é o seguinte tenho um funcionário que teve bebê recentemente para ser mais exato dia 24/06, e infelizmente a sua esposa após ter o bebê teve embolia pulmonar e está em coma, está na UTI a 2 dias! Como esse meu funcionário não tem condições financeiras muito favoráveis venho por meio desse pedir para quem puder doar FRALDAS, LEITE NAN(1), ENTRE OUTRAS COISAS QUE RECÉM NASCIDOS NECESSITAM! Tudo será muito bem vindo.
Muito Obrigada!
Postei uma imagem no meu BLOG se vocês puderem visitar e DILVULGAR, ja eu explico tudo direitinho.
OBRIGADA!

Isabela disse...

Deia, tambem acho super importante essas conversas. Lembro da minha mae explicando pra mim e pro meu irmao. Tinhamos os livros "De onde viemos..." e "O que esta acontecendo comigo".
E eu tinha aula sobre o assunto no colégio (de freira) que estudávamos na epoca.
Beijao

Andrea Fregnani disse...

Adorei, é bom ir sabendo como lidar com a situação, tb acredito na verdade como maior aliada nas explicações,
bjs