terça-feira, 6 de outubro de 2009

Cada dia um pouquinho

Tenho tentado todos os dias. Um bocado de cada vez. Viver menos estressada, menos angustiada é meu objetivo de vida. Fazer a escolha certa não é facil. A gente sabe, sempre sabemos que passa, que a vida é feita de momentos, bons e ruins, claro, mas a gente teima em se apegar ao pequeno, às dores e as angustias pra ficar sofrendo.
Eu sou uma pessoa angustiada por natureza. Me enfio em mil projetos, me empenho em coisas além daquilo que sou capaz de fazer mantendo minha sanidade.
Venho mudando muito, é verdade. Dois anos de terapia não foram em vão. Mas também é verdade que as vezes me perco no meio dessas mudanças todas.
Mudar não é fácil, requer persistência e foco. É tão mais fácil o jeito conhecido, automático.
Eu sei de todas as grandes mudanças que tenho vivido, e sou muito, muito mais feliz depois delas. Respirar e pensar antes de ligar o piloto automático é minha meta.
Minha cabeça fervilha o dia inteiro e às vezes me sinto perdendo o controle, esquecendo de algo importante. Nunca esqueci, é bem verdade, mas sinto como se o perigo do esquecimento me rondasse. Já pensou esquecer de buscar a filha no ballet? e esquecer um cliente agendado? uma audiência? de pagar o cartão e ser engolida pelos juros?
Digamos que em 70% do tempo eu não estou mais assim, mas é só a minha rotina ser alterada pra cabeça começar a rodar de novo. Consegui por um mês. Um mês inteirinho de rotina alterada, de obra, de pedreiros, de gastos sem fim, projetos, arquiteta, modelos de piscina, tempo ruim que atrasa tudo e eu dormia sabe.
Depois de muito tempo tive crise de insônia de novo. As horas passando e nada da cabeça parar.

Essa obra precisa acabar. Preciso de rotina de novo.

2 comentários:

Wlady disse...

pedreiros em casa esgotam, tiram a liberdade.
Andrea, quanto a tudo que vc escreveu, eu te digo que depois dos 40 mudei muito, parece papo furado mas é verdade, não tenho tanta pressa, os valores mudaram, vivo mais devagar.
bjk

Andrea Nunes disse...

Wlady, ah amiga, eu to chegando no meu limite dessa obra! Eu to buscando essa serenidade viu, com altos e baixos. Tomara que não precise esperar os 40! :o)

beijoca