terça-feira, 3 de agosto de 2010

Lei da Palmada

Então, eu sou contra. Não, calma. Não sou a favor da palmada de jeito nenhum. Eu apanhei quando criança, não morri por causa disso, mas não entendo que isso eduque, acho que palmada cria medo e humilha, ponto.

Eu dei duas palmadas na Natália nestes sete anos de vida dela. Uma por puro reflexo quando ela era pequena e me deu um tapa na rosto, me pegou de surpresa, dei um tapa na mão dela. Me arrependi imediatamente. A segunda vez foi com ela maior, lembro que tinha sido um dia díficil eu estava muito irritada e pedindo pra ela ter cuidado com a tinta que estava brincando, pedi, falei, orientei, e ela feliz que estava, corria, pulava pela casa com as mãos cheias de tinta, me chamava pra brincar, fazia de tudo pra chamar minha atenção, afinal eu tinha passado o dia inteiro longe. Manchou meu tapete de couro com tinta vermelha. Explodi e dei uma palmada na bunda dela. Ela levou um susto, nunca vou esquecer a expressão dos olhos dela, que de felizes passaram a incrédulos. Fui pro banheiro chorar escondida. Eu bati porque me descontrolei, descontei nela o meu dia ruim. Eu devia ter ido brincar de tinta com ela, sentar na mesinha de pintura com ela, me interessar pelo que ela estava fazendo. Ela só queria atenção, queria brincar.

Minha filha é super educada e obediente. Minha primas debocham dizendo que a Natália não é regra e que a Andressa vai ser uma peste. Não acredito nisso. Eu acho que ela é fruto da educação que eu e meu marido damos a ela. Ela é nossa prioridade, sempre. Tudo que fazemos é pensando na mensagem que queremos passar a ela. Claro que ela teima e faz coisas que não concordamos. Impomos limites e ela não uma criança que pode tudo ou que tem tudo. Nossa atitude sempre é conversar, conversar e conversar. O castigo dela é sempre ir pro quarto e pensar no que ela fez, quando tiver pensado é pra me chamar e a gente conversar. E sempre conversamos. Sempre quando ela chama eu largo o que estiver fazendo e vou lá para conversarmos sobre o que aconteceu. Ela pensou e eu me acalmei. Tento fazer com que ela entenda o porque a atitude dela foi errada. Falo e deixo que ela fale. Quero sempre ter noção sobre a percepção dela sobre as coisas.

Acredito que a criança precisa entender o que fez de errado, o porque de não querermos que ela faça isso ou aquilo.

Acho muito doido um pai que bate no filho porque ele bateu no irmãozinho. A criatura ainda diz: não bate no teu irmão, não pode bater em ninguém! Enquanto bate na criança. Uma mensagem dupla, óbvio. Enlouquecedor.

Então tu deve estar se perguntando porque sou contra a Lei. Simplesmente porque não vai funcionar, porque a Lei Maria da Penha não funciona, porque sem fiscalização e punição SEVERA não adianta ficar criando Lei pra tudo. As pessoas precisam de educação e orientação, a proibição pela proibição não leva a lugar algum.

3 comentários:

val maria; disse...

eu vejo como um retrocesso, sinceramente. punir os pais não adianta nada quando a humilhação pode não ser física. em vez de mais uma lei que só valerá no papel, tem que é que trabalhar para que pais e filhos trabalhem juntos por uma sociedade melhor.

dá pra ver que a ausência de 'palmadas' não adianta muita coisa, se formos observar o modelo americano de educar as crianças. se fosse assim, não existiriam tantos problemas em educá-los tanto quanto no nosso modelo.

pra mim, diálogo é a melhor conduta. conto nos dedos as vezes que apanhei, mas aprendi muito mais quando meus pais me sentaram e conversaram sobre o que fiz de errado. palmada só mecaniza, conversa e exemplo fazem daquela criança um adulto mais consciente.

adorei seu post.

beijos!

Wlady disse...

oiiii!
ótimo post!
Sou contra agressão, seja física ou verbal. Acho que os pais são os formadores das futuras atitutes dos filhos e cabe a eles manter o equilibrio para conduzir a tarefa.
Sei que crianças testam os pais, muitas vezes nos levam ao limite, mas a paciência para mostrar o que é certo deve reinar sempre.
grande bjk

Naditinha disse...

Concordo com você! Palmadas não levam a nada. Mas também sou contra essa lei. O povo deve ser educado, orientado. A cultura da palmada deve mudar naturalmente com orientação. Punir um pai que se descontrolou e deu uma palmada é exagerado além de tirar a sua autoridade o que deixaria a criança ainda mais confusa!
Ótimo post.
Beijoss.