domingo, 16 de setembro de 2007

Nem sempre tenho todas as respostas...

E a vovó resolveu ir viajar pra São Paulo, rever a Tia Neuza e o Diego que foram morar lá tem um bocado de tempo. A Natália nem os conhece. A última vez que vi o Diego estava grávida da Naty.

Sei que a viagem foi também uma forma de sair desta confusão por conta da obra da casa. Como a minha mãe vem morar aqui no apartamento onde moramos, estamos todos, bem "amontoados" por estes dias, até nossa casa ficar pronta.

Viagem decidida, vou procurar as passagens aqui na net. Sem nenhum de nós perceber a Natália vai pro quarto, a escuto chorando.Quando questiono o porque me deparo com perguntas que não sei como responder. Ela está com medo. Medo de que a avó viaje de avião para São Paulo. Lógico o acidente da Tam veio de imediato na cabecinha dela. Entre uma pergunta e outra eu acabo explicando que nada de ruim vai acontecer, que aquilo foi um acidente e que não irá acontecer de novo. Ai me dou conta que não posso garantir isso, que preciso passar segurança para ela, mas não posso prometer coisas que não dependem exclusivamente do meu querer.
Ela diz que não quer que a avó morra. Digo que todas as pessoas vão morrer, mas que vai demorar ainda. Ela cada vez chora mais, fica mais insegura.

Sou contra mentir para ela, definitivamente contra. Acabei mentindo, diante da aflição dela, menti que a vovó iria de ônibus. Os olhinhos dela brilharam de felicidade e todo medo se foi.

Acabou que a mamãe aqui ficou angustiada e se perguntando se teria feito o certo ou não. As vezes é tão dificil...

Dois dias depois de minha mãe ter ido tentei "arrumar a mentira", contei que a vovó tinha ido de avião porque não tinha ônibus, e que nada, nada de ruim tinha acontecido! Ligamos para a vovó e ficou tudo bem.

2 comentários:

luiza disse...

Mudou de casa? Por isso que eu acessava o outro e não via textos novos... É bom mudar, né? Eu já pensei em fazer um blog (secreto ou não, ainda não decidi) só para os meus devaneios... Beijo pra vocês!

Andrea Nunes disse...

Luiza, fa�a um blog sim, � t�o bom depois de um tempo ler o que escrevemos, o que passou...

beijoca